#72 Ana Morais

01 agosto, 2017


Ana é mãe, ex-jornalista, apaixonada por fotografia e pelo Casulo onde é artesã. O macramé, a arte de tecer fios apenas com os dedos, apareceu durante a licença de maternidade e nunca mais se foi embora.

Se este fosse o teu perfil de uma qualquer rede social o que escreverias na área 'Sobre ti’?
Mãe, artesã, apaixonada por cozinha e viagens.

Nasceste em Aveiro, estudaste jornalismo na Covilhã, fizeste o mestrado em Coimbra, trabalhaste em televisão e rádio em Lisboa e depois no Porto... A volta a Portugal terminou com pronúncia do norte? 
Sim, é incontornável não ceder um pouco à bonita pronúncia do Norte que eu amo!

Há imensos casos de mulheres que durante a licença de maternidade ganham a coragem de dar vida a ideias de negócio. Será este período o "verdadeiro" estado de graça? 
Sim, no meu caso foi mais porque me sentia muito "parada" e confinada a um espaço. Senti necessidade de fazer algo criativo que me preenchesse nestes meses em que estava em casa.

Técnica antigas, ideias novas. Podemos chamar-te de artesã contemporânea? 
Sim, completamente! É mesmo assim que me sinto. O macramé é de facto uma técnica com muitos anos, mas que para mim faz sentido numa abordagem mais contemporânea, simples e minimal. No fundo, enquanto trabalho tento sempre acompanhar as tendências de decoração e design, das quais também sou apaixonada.

No início o valor que atribuías às tuas peças ficava abaixo do real valor delas. Aprender gestão acompanhou o aprender da arte? 
Eu não aprendi gestão, mas tive "aulas particulares" com o meu pai que percebe bastante do assunto e me ajudou a valorizar o meu trabalho e o meu tempo, tendo em conta os custos, matéria prima, mão de obra, etc. 

O que ainda podemos esperar ver sair do casulo? 
Essa é uma pergunta à qual nunca sei responder, uma vez que cada coleção nova é uma caixinha de surpresas até mesmo para mim. O que posso dizer é que será sempre algo original e diferente do que já viram. :)

Podem encontrá-la aqui: 
100 days of women © 2017