#58 Maria Ferreira

18 julho, 2017


Maria, ou MVRIA, frequenta as cabines dos clubes do Porto há mais de 5 anos. 
Sonoridades puramente eletrónicas, do Bass ao Acid House, do Deep ao Techno, quando as palavras de ordem são estas, Maria conduz a pista com destreza e elegância.

Se este fosse o teu perfil de uma rede social o que escreverias na área 'Sobre ti’?
Não gosto muito de falar sobre mim desta forma. Apresento-me só como uma DJ e programadora do Porto.

O que te chamou a atenção na eletrónica?
Quando era adolescente e comecei a ouvir música com verdadeiro interesse e atenção, o meu género preferido era o synthpop. Consumia muito bandas como Depeche Mode, Human League, Pet Shop Boys, Duran Duran, New Order ou o Gary Numan, e com aquela curiosidade de saber mais rapidamente percebi a forte influência que a música eletrónica tinha nas minhas bandas preferidas.

Percebe-se pelo ambiente da sala o que o público quer ouvir?
Claro que sim. O trabalho de um DJ passa muito por aí.

Qual foi o episódio mais bizarro que já te aconteceu enquanto atuavas?
É sempre muito estranho quando me atiram dinheiro para a cabine ou tentar dar-me gorjeta, nunca sei como reagir. Mas o mais bizarro de todos foi estar a tocar num sítio ao ar livre e, a dada altura do set, precisar de ir à casa de banho e dizerem-me que não havia. O empregado deu-me um guardanapo e disse-me para ir atrás de uma árvore.

A rádio é uma extensão da cabine de som?
A rádio da maneira como a maioria das pessoas a conhecem, ou seja, aquela que se consome por exemplo no carro através de estações comerciais e com montes de publicidade pelo meio, acho que não. Mas hoje em dia há imensas rádios online super interessantes, como é o exemplo da nossa Rádio Quantica. No caso dos DJs existe a oportunidade para partilhar aquela música que ouvimos mas que não dá para passar nas pistas de dança porque não se enquadra. Aí sim é uma grande e valiosa extensão da cabine e que me tem dado muito gozo fazer.

Existem diferenças entre a eletrónica feita por homens e por mulheres?
Em termos de sonoridade, não, é tudo música. Existem apenas diferenças de pessoas para pessoas, naturalmente. Mas se existem diferenças entre homens e mulheres na club e na dance scene? Existem muitas ainda, infelizmente, mas estamos cá nós para contrariar isso.

Podem encontrá-la aqui: 
100 days of women © 2017