#36 Daniela Barros

26 junho, 2017


Já em criança Daniela desenhava roupa para bonecas com restos de tecidos da fábrica dos pais. O caminho estava traçado e o seu talento pode ser agora apreciado em desfiles em Paris e Londres ou em nomeações para os Fashion Awards. 

Se este fosse o teu perfil de uma qualquer rede social o que escreverias na área 'Sobre ti’?
Possivelmente não iria escrever nada! :) Mas poderia escrever que sou formada em design. Sonhadora e resiliente, obstinada qb :), muito observadora, apaixonada pela minha profissão.

Desenhavas roupa para as tuas bonecas? 
É um clássico, mas sim! :) Apesar de gostar mais de brincar com bolas e carros.

Expor o teu trabalho em Paris, capital da moda, foi... 
Uma experiência muito positiva, marcou o início do percurso internacional. Foi como qualquer momento novo, um pouco assustador no início. Ainda hoje aprendo em cada ação que é feita, quer em desfile, trade-show ou apresentação. Paris marcou o início, foi fundamental para o meu percurso.

O que é nacional é bom e bem visto lá fora? 
O design nacional tem qualidade. Para além da qualidade já implícita como país produtor, cada vez mais Portugal é visto como exportador de bom design.

No final de um desfile ainda há forças para celebrar? 
Muitas vezes a vontade maior é voar para um mar de almofadas, contudo guardamos sempre espaço para celebrar o clímax da nova estação.

Vemos tendências passadas a regressar e a serem reinventadas. A moda é um ciclo ou ainda há algo por inventar? 
A moda é um ciclo, contudo cada vez mais iremos experienciar a moda aliada à tecnologia. Ainda será inventada muita coisa.

Podem encontrá-la aqui: 
100 days of women © 2017