#25 Maria Santos

15 junho, 2017


Maria Santos trocou Lisboa e a Engenharia Civil por Porto Covo e a arte de bem receber. Numa resolução de ano novo, Maria comprou em leilão uma antiga escola primária e transformou-a na Casa de Campo Cabeça da Cabra, onde agora se ensinam outras lições. 

Se este fosse o teu perfil de uma qualquer rede social o que escreverias na área 'Sobre ti’?
Antes tinha algo que traduzido seria "dividida entre o campo e a cidade, em busca de um sonho de liberdade", mas agora já não estou em dividida, o campo arrebatou-me completamente "following a dream of freedom in the nature", é isso que me define... o facto de me ter tornando numa anfitriã de uma antiga escola primária num pequeno lugar do Alentejo veio na sequência desse sentimento base.

Como é que se compra uma escola primária?
Com alguma insensatez e a acreditar que vai correr tudo bem no final. 
Penso que este tipo de edifícios fazem parte do imaginário de todos nós, a ideia de ter uma pequenina escola primária numa zona rural parecia-me algo saído de um conto de fadas. Na altura foi tudo muito rápido e irrefletido, mas em retrospetiva penso que a loucura teria sido cruzar-me com esta oportunidade e virar-lhe costas. 

Já tiveste antigos alunos aí hospedados? 
Hospedados não, mas uma das minhas "novas amizades" mais presentes é uma senhora que andou aqui na Escola, e tem um monte aqui próximo. Andou ela e o marido, e foram namorados desde sempre, parece-me sempre muito romântico imaginá-los pequeninos na mesma sala de aula.

De engenheira civil a professora da arte de descansar. Era um sonho antigo? 
A palavra sonho é engraçada porque é muito bonita, mas às vezes parece carregar logo o significado de que é uma fantasia, algo distante da realidade que normalmente não se realiza. Eu acho que todas as pessoas sonham com percursos de vida diferentes daqueles que estão a seguir, algo que eu também fazia. Acho que foi o meu lado prático de Engenheira Civil que começou a tratar esse sonho como um projeto, e tornou possível uma mudança de vida tão radical. 

Ainda és uma pessoa dividida entre a cidade e o campo, ou o "pessegueiro na ilha /Plantado por um Vizir de Odemira" já é o teu 'fruto' preferido? 
Sem dúvida, nos primeiros anos ainda me sentia dividida, e Lisboa é uma cidade que adoro e gosto muito de visitar, mas o campo e o Alentejo para mim são necessidades vitais, já não consigo viver sem isto. Claro que isto não acontece com toda as pessoas, tem de haver uma predisposição natural dentro de ti para fazer esta escolha, talvez outra pessoa na mesma situação chegasse à conclusão que adorava visitar o campo mas não conseguia viver sem a cidade.

O surf também já é paixão? 
O surf ajudou muito a cimentar as minhas raízes aqui na costa alentejana, porque é uma experiência que te cria uma proximidade com a natureza de uma forma muito intensa, quase religiosa.
Nem todas as pessoas vão ter a mesma experiência e para muitas será apenas um desporto saudável e divertido, o que já é bastante.

Podem encontrá-la aqui: 
100 days of women © 2017