#09 Cláudia Villax

30 maio, 2017


Cláudia Villax é responsável pel'A Sociedade, uma oficina gastronómica criativa no Príncipe Real, em Lisboa, autora dos livros Da Horta para a Mesa e Brunch, diretora da agência de design de comunicação Food People & Design e ainda produtora de azeite na sua quinta biológica Azeitona Verde, em Marvão. Haja fome — literal ou de aprender — que a Cláudia é a pessoa certa para termos por perto. 

Se este fosse o teu perfil de uma qualquer rede social o que escreverias na área 'Sobre ti’?
Under construction

Nos 150 m2 d'A Sociedade concentras quatro negócios associados à criatividade gastronómica. É fácil manter a linha? 
É fácil com disciplina, apesar de gostar muito de boa comida sei sempre quando não devo passar dos limites, depois sou também bastante hiperativa o que ajuda bastante.

Sendo uma apaixonada por comida foi uma decisão natural criares um espaço com uma cozinha paredes meias com o teu escritório? 
No fundo foi, já em minha casa a cozinha é o centro das atenções e o lugar onde passamos mais tempo, sendo a comida o meu trabalho essa parte tinha que existir também no dia a dia.

Trocar Lisboa pelo Marvão e produzir azeite era algo que fazia parte da tua 'bucket list'? 
Sim e cada vez mais. A vida no campo e o contacto com a terra chama por mim permanentemente.

O slow food já é uma realidade na cozinha nacional? 
Ainda não apesar da base da nossa cozinha ser por si só bastante slow, mas acho que caminhamos a passos largos para lá pois cada vez mais há uma maior perceção da diferença entre comida e comida boa.

É verdade que transformaste uma horta no Marvão num laboratório de experiências biológicas? 
É verdade sim, adoro fazer experiências seja com legumes ou frutas que testo para ver se se adaptam às condições locais ou até mesmo a trabalhar para melhorar a qualidade do solo (a minha última obsessão). 

Podem encontrá-la aqui: 
100 days of women © 2017